Desfiles são resultado do trabalho de terapia ocupacional desenvolvido com pacientes

Durante todo o ano eles trabalharam nas oficinas, produzindo peças diversas, fantasias e alegorias como terapia ocupacional. Agora, chegou a hora de colocar tudo para fora e mostrar que o carnaval é do povo, para todos e sem preconceito. A partir desta quinta-feira (21), os blocos da saúde mental ganham as ruas da Zona Norte à Zona Sul da cidade, esbanjando alegria, samba de primeira e todo o direito à liberdade e à cidadania.

De comum, todos os blocos da saúde mental nascem nas atividades de terapia ocupacional desenvolvidas nas unidades da rede de atenção psicossocial. São oficinas de música, percussão, artes, pintura, artesanato, entre tantas outras. Ao longo do ano, os pacientes em acompanhamento vão fazendo os trabalhos, descobrindo ou redescobrindo seus caminhos e identidades. Quando chega perto do carnaval, é escolher e ensaiar o samba, concluir as fantasias e se soltar nas ruas, arrastando a vizinhança, turistas e foliões em geral.